Acompanhe-nos
Você está aqui: Página Inicial Sala de Imprensa Destaques Consegi realiza homenagens

Consegi realiza homenagens

Salas do evento recebem nomes de personalidades de Brasília e de comunidades de software livre
25/07/2013 14:25

Em 2013, o Consegi homenageia personalidades marcantes da história de Brasília. As salas onde ocorrerão as palestras, por exemplo, foram batizadas com nomes de personalidades, como o Auditório Oscar Niemeyer, que remete ao mais conhecido arquiteto brasileiro e responsável pelas principais obras de Brasília. Também foram homenageados o antropólogo Darcy Ribeiro e o arquiteto Alcides Rocha Miranda e Anísio Teixeira, criadores e idealizadores da Universidade de Brasília (UnB).

“No ano passado o Consegi aconteceu na cidade de Belém. Devido à volta do evento à Brasília decidimos homenagear pessoas importantes para a cidade”, conta Ana Amorim, coordenadora-geral do evento.

Também terão seus nomes nas salas o artista plástico, escultor e mosaicista Athos Bulcão, responsável por obras como o painel de azulejos do Aeroporto Internacional de Brasília, o líder estudantil Honestino Guimarães, desaparecido em 1976 e premiado com o Mérito Universitário pela UnB, e Lúcio Costa, arquiteto idealizador do Plano Piloto de Brasília.

Comunidades
Já os participantes das oficinas vão se deparar com salas cujos nomes fazem alusão às comunidades de software livre Gimp, Pentaho, Demoiselle, OpenStack, PostgreSQL, Ubuntu, Zabbix, Debian, Plone e Expresso. “O software livre é melhorado pela troca de experiência entre os membros das comunidades”, explica Ana Amorim, sobre a escolha da organização em homenagear as comunidades.

País focal
Neste ano, a África do Sul e seu ex-presidente Nelson Mandela são também homenageados pelo congresso. O país é o ponto de partida da distribuição do Ubuntu, importante sistema operacional de código aberto. Desde 2009 é tradição o Consegi homenagear países que se destacam em desenvolvimento em software livre. “E Mandela é um símbolo da resistência pacífica contra o regime do Apartheid, seguia e divulgava o conceito africano do Ubuntu, que significa humanidade para com os outros”, conclui Ana.

Ações do documento
  • Google +
  • Linkedin
registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Os comentários são moderados