Acompanhe-nos
Você está aqui: Página Inicial Sala de Imprensa Destaques Tecnologias assistivas promovem a cidadania

Tecnologias assistivas promovem a cidadania

Martinha Clarete, do Ministério da Educação, esteve no Consegi mostrando os avanços conquistados pela política de inclusão do governo
13/08/2013 18:10
Tecnologias assistivas promovem a cidadania

Martinha Clarete (MEC) defendeu o uso inclusivo da tecnologia

Dados recentes apontam que aproximadamente 15% da população brasileira apresentam algum tipo de deficiência e, desse número, aproximadamente 3% de pessoas estão na faixa de quatro a 17 anos. "Essas pessoas, por ocasião dessas dificuldades, principalmente pelas limitações de locomoção, não frequentam a escola", explica a diretora de Políticas de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC), Martinha Clarete. 

Martinha esteve no primeiro dia do Consegi para apresentar os principais pontos da política pública implantada no Brasil, em parceria entre o governo federal, estados e municípios, tendo em vista a disseminação do uso pedagógico dos recursos de tecnologia assistiva em prol da cidadania.

Segundo ela, a verdadeira inclusão social passa determinantemente pelo uso de tecnologia. “Hoje não é possível estarmos à margem do processo tecnológico. E mais que isso: não devemos, nenhum de nós, sermos passivos nesse processo, já que podemos compartilhar saberes, construir colaboração, seja qual for a nossa área de atuação”.

A importância da escola

Segundo a Constituição Federal Brasileira, a educação é um direito indisponível, ou seja, ninguém pode cercear esse direito, ainda que por opção própria. Além disso, as pessoas com deficiência fazem jus à atendimento educacional especializado.

Para isso acontecer de forma efetiva, Martinha esclarece que a escola deve refletir o macrossistema social. “Na escola temos a oportunidade de aprimorar o nosso sistema democrático, nosso sistema social, enfim, construir mecanismos que edifiquem o paradigma de uma sociedade inclusiva”, explicou.

Segundo ela, um dos grandes desafios é a formação dos usuários, com a disseminação dos recursos. “Nós só alteramos a nossa escola, a nossa sociedade, à medida que nos apropriamos desse bem, o conhecimento. E mais, que isso, aprendemos que esse conhecimento é aprendido a várias mãos, vários cérebros, várias pessoas e não um grupo privilegiado", afirmou.

Alguns números

O Brasil têm quase 6000 municípios. Desses, apenas 120 municípios possuem mais de cem mil habitantes. Ou seja, a grande maioria é constituída de municípios pequenos, sem banda larga, por exemplo. 

Martinha explicou que os desafios enfrentados na universalização do conhecimento ainda são grandes. “Tivemos avanços importantes, ampliamos o acesso, mas ainda temos um grande caminho a percorrer”, concluiu.

Ações do documento
  • Google +
  • Linkedin
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Os comentários são moderados