Acompanhe-nos
Você está aqui: Página Inicial Sala de Imprensa Destaques Faça você mesmo com Arduino

Faça você mesmo com Arduino

César Bastos estará presente no Consegi para dividir conhecimentos sobre robótica livre
09/08/2013 19:54

Projetos simples de automação serão tema de palestra na próxima quinta-feira, 15, no Consegi. “Inicialmente mostrarei como é feita a interação do mundo externo com o Arduino, por meio do uso de sensores”, adianta César Bastos, pesquisador e professor da Escola Técnica Estadual Ferreira Viana, no Rio de Janeiro. “Depois apresentarei alguns projetos utilizando o que foi discutido e mostrando que podemos automatizar principalmente as funções repetitivas do cotidiano, como acender uma luz quando o tempo escurece ou abrir cortinas automaticamente quando o dia estiver claro”, explica.

“Eu resumiria Arduino assim: é uma plataforma de prototipagem eletrônica aberta, baseada em hardware e software flexíveis e fáceis de usar. Pode ser utilizada por artistas, designers, hobbistas, engenheiros, estudantes e por qualquer um interessado em criar objetos ou ambientes interativos”, diz Bastos. Em uma versão menos informal, Bastos conceitua o Arduino como uma plataforma física de computação de código aberto baseada numa simples placa microcontroladora e em um ambiente de desenvolvimento para escrever o código que programa a placa. “Foi criada por Massimo Banzi e David Cuartielles em 2005 com o objetivo de permitir o desenvolvimento de controle de sistemas interativos, de baixo custo e acessíveis a todos”, completa.

Robótica para nativos digitais
O uso do Arduino e da robótica livre pode ser muito enriquecedor na área da educação, defende o professor. “Algumas escolas já possuem a disciplina de robótica no currículo e vejo meus alunos cada vez mais interessados em construir e utilizar a imaginação. Isso é fantástico para mudar o quadro da escola 'chata e ultrapassada'. Precisamos de escolas para fazer alunos nativos digitais pensarem e produzirem conhecimento. O uso de tecnologia aplicada à produção de conhecimento interessa mesmo a quem não seguirá carreiras da área de exatas”, empolga-se Bastos.

 
Ações do documento
  • Google +
  • Linkedin